Vídeos e Storytelling: como aumentar a conexão com seus clientes através da emoção

Atualizado: Mai 26

Combinando recursos audiovisuais, o vídeo captura os detalhes das histórias da sua marca e as transmite de maneiras memoráveis.


Na semana passada, fomos levar nossos filhos para assistir ao filme Frozen II. Depois de garantir a pipoca pra todo mundo, sentamos e de repente as luzes se apagaram.


Enquanto ajeitava os dois nas cadeiras e colocava os óculos 3D, um vídeo institucional da Flix Media me chamou muito atenção. Não vou dar mais spoilers, vejam por si só os motivos:


45 segundos quase sem respirar. A música, as pausas, as lembranças, cada fase da minha própria vida, todas essas emoções chegaram até mim a partir de imagens e trilha sonora.


Pensando nisso, no impacto deste vídeo sobre mim, tratei de investigar em minha mente quais outros vídeos já tinham me causado esta sensação de alegria. Me lembrei instantaneamente de mais três:


Casório: a campanha da VIVO para planos família 4G produzido pela DPZ&T de maneira incrível


Mães reais: lindo filme da Baby Dove produzido pela U-Studio, in house da Unilever



Extra Gum: A história de Sarah e Juan, criado pela Energy BBDO



Ultimamente, tudo tem estado em conexão para mim. Pensando nestes vídeos, nestes conteúdos tão sensíveis e empáticos, me lembro muito da fala da Ana Holanda, editora-chefe da revista Vida Simples e mentora do curso Escrita Criativa e Afetuosa: "absolutamente tudo é capaz de contar uma história".


Nos vídeos citados, cadeiras, planos de celular, produtos para bebê e um chiclete foram protagonistas de campanhas singulares.



Pensando em como estratégias de marketing e conteúdo podem estar muito ligados a questões da psicologia, estudei um pouco mais sobre o poder das emoções no marketing e compartilho algumas informações que encontrei:



A maneira como percebemos felicidade, tristeza, medo e raiva determina como tomamos algumas decisões. Por exemplo:


Felicidade = mais ações


Quando se trata de entender o apelo emocionais do marketing, os cientistas descobriram que emoções positivas têm mais probabilidade de nos convencer a compartilhar, retuitar ou salvar que sentimentos negativos. Isso significa que os profissionais de marketing podem melhorar o alcance de sua marca simplesmente destacando notícias positivas ou usando palavras que atraem a parte "feliz" do cérebro.


Tristeza = mais cliques


Embora a felicidade possa nos encorajar a compartilhar nossas experiências com nossos amigos e entes queridos, pesquisas constatam que palavras com conotação negativa geralmente levam a uma taxa de cliques mais alta.


De fato, um estudo da Outbrain descobriu que superlativos como "pior" ou "nunca" funcionam 30% a mais do que um título sem um superlativo quando se trata de chamar atenção. Já superlativos positivos como "melhores" eram significativamente menos atraentes. As palavras negativas tiveram uma taxa de cliques 63% maior que as positivas.

A Roda das Emoções


A partir deste artigo da HubSpot, eu pude entender melhor sobre a Roda das Emoções, criada pelo professor americano Robert Plutchik.


Em 1980, Plutchik definiu que os seres humanos sentem oito emoções bipolares primárias: alegria x tristeza, irritação x medo, confiança x nojo e surpresa x antecipação. A partir disso, representou as emoções em graus de intensidade a partir das cores.


O modelo também ilustra o estado alcançado pela combinação de emoções, por exemplo: onde o tédio encontra o aborrecimento, temos o menosprezo; onde a serenidade encontra o interesse, há otimismo.


Em uma representação gráfica, a Roda das Emoções ficou com o formato de uma mandala:

Roda das Emoções, do professor americano Robert Plutchik

A relação entre emoções e estratégia de marketing de conteúdo


Falar sobre as emoções torna-se relevante quando falamos sobre estratégia de conteúdo porque elas estão intimamente ligadas à tendência comportamental dos seres humanos.


Dependendo do seu produto, setor e público, sua mensagem deve ser capaz de gerar um tipo de emoção em seu público que nem sempre é felicidade. Assim como seus objetivos de marketing, você deve se aprofundar e definir com precisão o sentimento que deseja obter. Isso influenciará toda a sua estratégia e ajudará a ser o mais eficaz possível.


Clientes que seguem fiéis e até defensores da marca certamente experimentaram emoções positivas a partir de sua experiência de compra; por isso, pensar na "jornada do consumidor" a partir das emoções pode se tornar força motriz para ser mais assertivo em suas ações de conteúdo e marketing.


A emoção para aumentar a conexão com seus clientes; por onde começar?


  • Pense nas emoções como uma métrica importante de sucesso em sua empresa;

  • Crie pesquisas para entender qual a motivação levam seus clientes a consumir os seus produtos. O resultado disso pode te trazer insumos importantes para criar conteúdo e outros produtos cada vez mais relevantes e específicos para seu público e;

  • Para dar certo, transforme estes insumos em ação estratégica. Isso fará a diferença!


As pessoas sentem. Experimentamos emoções. Esta é nossa natureza.

Essa é uma das razões pelas quais o marketing emocional simplesmente funciona.


Em suas próximas estratégias de conteúdo, saia do lugar comum e defina qual o tipo de emoção você quer que seu público sinta ao pensar em sua marca.


Vale o exercício de aprofundamento!


Precisando de um parceiro para contar as histórias da sua empresa por meio de vídeos? Vamos conversar!




93 visualizações

Copyright © Prosperidade Conteúdos