Como ter um site com maior acessibilidade digital

Atualizado: Jul 2



Ao otimizar o design do site, há um mercado muito importante que você deve considerar ao pensar em acesso e usabilidade: em todo o mundo, existem mais de um bilhão de pessoas com deficiência, que variam de deficiência visual a dificuldades de aprendizado e perda auditiva - e vão muito além disso.


Abaixo, descrevemos os principais obstáculos que os usuários com deficiência enfrentam e quais alterações são possíveis de serem feitas para melhorar a acessibilidade do seu site. Você aprenderá a criar um site para pessoas com deficiência e para os vários tipos de hardware e software que eles usam para acessar sites.


Principais obstáculos à acessibilidade das pessoas com deficiência

Embora existam muitas deficiências e condições que podem afetar a maneira como as pessoas navegam na Internet, gostaríamos de destacar algumas das mais comuns:


- Deficiência visual: pode variar de cegueira parcial a total e inclui dificuldade em ver os contrastes das cores.

- Deficiência auditiva: pode variar de perda auditiva parcial a total.

- Habilidades motoras/deficiências físicas: isso inclui dificuldade em mover certas partes do corpo ou ser capaz de efetivamente fazer movimentos precisos (por exemplo, a capacidade de usar um mouse de computador ou movimentos de pinça em celulares).

- Convulsões fotossensíveis: inclui condições, como epilepsia, que podem causar convulsões desencadeadas por luzes piscantes.

- Deficiências cognitivas: inclui condições que afetam a função cognitiva, como demência e dislexia.


Ferramentas que as pessoas com deficiência usam para acessar a Internet


Com os avanços da tecnologia assistencial, as pessoas podem utilizar leitores de tela (que lêem o texto de cada página em voz alta), software de reconhecimento de fala (que converte palavra falada em texto), terminais em Braille e teclados alternativos para acomodar necessidades especiais.


Ao projetar (ou reprojetar) seu site com essas ferramentas em mente, você estará um passo à frente de mais de 90% dos sites que não são acessíveis a pessoas com deficiência.


Entenda seu público


Embora possa ser difícil compreender como é ver o seu site como um usuário com deficiência, existem ferramentas que você pode usar para entender melhor.


Você pode assistir como as pessoas interagem com seu site usando tecnologias assistivas, como leitores de tela (o Google oferece um download gratuito chamado ChromeVox) ou ler um pouco sobre como as pessoas com deficiência personalizam seus navegadores. Esses dois esforços ajudarão você a entender melhor como desenvolver um site mais acessível.


Conheça 10 passos para tornar seu site acessível


1) Use Alt Tag


As Alt tags são aquelas pequenas palavras que aparecem quando você passa o mouse sobre uma imagem em um site. De onde elas vêm? Geralmente, é o nome do arquivo que você usou para salvar essa imagem, mas se você estiver atento às otimizações de SEO, alterou as palavras dessa alt tag para algo relevante para o seu site e para a própria imagem.


Por exemplo: se você tem um infográfico, pode ter salvo como "pequeno_negocio_crescimento_infografico_2020", mas ao colocar esse infográfico no seu site, o web designer consciente das estratégias de SEO poderá alterar essa alt tag para algo como "Crescimento de pequenas empresas atinge 1,5 trilhão de dólares em 2019 ".


Como isso é importante para pessoas com deficiência? Para pessoas com deficiência visual que usam leitores de tela, as alt tags são lidas em voz alta para que o usuário saiba qual é a imagem. As alt tags aprimoradas aumentam a acessibilidade, ao mesmo tempo em que fornecem aos mecanismos de pesquisa mais informações para rastrear e ler informações. Portanto, dedique um tempo para criar alt tags precisas e sucintas.


Também é importante ter em mente como esses leitores de tela leem informações. Ao usar abreviações como o FBI, em vez do Federal Bureau of Investigations, certifique-se de colocar pontos entre cada letra (F.B.I.). Sem as pontuações corretas, o leitor de tela lerá a palavra foneticamente, causando uma confusão na cabeça do usuário e dificultando o compreendimento da mensagem. Isso é válido para todo o conteúdo, mas é importante mencionar aqui, pois as imagens desempenham um papel fundamental nas campanhas de marketing.


2) Crie legendas e transcrições

O seu site tem muitos vídeos? Para tornar esses vídeos acessíveis a pessoas com deficiência, foque em fornecer legendas e/ou uma transcrição do áudio.


Muitos sites de hospedagem de vídeos, como o YouTube, fornecem ferramentas gratuitas para os usuários adicionarem suas próprias legendas, e também existem serviços gratuitos de transcrição de vídeo disponíveis, como o oTranscribe, Express Scribe e The FTW Transcriber.


3) Tenha cuidado com seus links

Quando você incorporar um link a uma postagem, descreva-o, se possível. Em vez de "Clique aqui para obter mais informações", tente "Para saber mais sobre como tornar seu site acessível, clique aqui".


Além disso, aumente a facilidade de uso dos usuários com daltonismo ou deficiência de cor, sublinhando seus links e garantindo um contraste de cores entre o texto com hiperlink e o texto comum.


4) Cuide bem de suas cores

Pratique escolhas inteligentes de cores em todo o site para permitir que usuários com daltonismo e problemas de cores naveguem melhor em todo o site. Algumas regras gerais a serem seguidas incluem:


  • Evite emparelhar cores vibrantes (como amarelo, azul e verde) que podem causar fadiga ocular.

  • Verifique se você possui um bom contraste de cores no site, para que os elementos sejam distinguíveis.

  • Utilize texto escuro contra um plano de fundo claro (como texto preto em fundo branco) para que as cores não se misturem e dificultem a leitura.


Você está um pouco perdido no departamento de cores? O WebAIM possui uma ótima ferramenta (e gratuita) que você pode utilizar para avaliar o contraste de suas opções de cores. O site está disponível apenas na língua inglesa, mas o conteúdo é simples e intuitivo.


5) Seja clicável

Pensando em usuários com dificuldades de mobilidade que dificilmente clicam em itens pequenos, aumente os itens clicáveis e dê um maior intervalo entre os botões clicáveis.


Sabemos o que você está pensando: não tenho ideia de como fazer isso. Mas tenha calma e não deixe essa barreira fazer você desistir da adaptação. Não é tão difícil quanto você imagina.


6) Mantenha as coisas simples

Divida seus textos em parágrafos menores, seja específico com um tom de conversa, utilize marcadores, crie cabeçalhos claros junto com a mídia interativa sempre que possível e tenha sempre cliques para ação (CTA) super claros. Todas essas coisas tornarão muito mais fácil para quem está utilizando leitores de tela entenderem melhor o conteúdo que você está entregando.


Isso não só é extremamente útil para todos, mas é absolutamente necessário para usuários idosos e pessoas com dificuldades de aprendizagem.


7) Verifique se o site é compatível com teclado

Como muitas tecnologias assistivas dependem da navegação apenas por teclado, você deve garantir que seu site funcione sem o uso de um mouse e funcione sem problemas, usando apenas a funcionalidade do teclado.


Isso inclui a utilização da tecla Tab para pular entre diferentes áreas de uma página, como links, botões e formulários. Teste simples: para verificar se seu site já está configurado para operar com apenas um teclado, tente navegá-lo sem usar o mouse e utilizando apenas a tecla Tab.


8) Crie seus formulários para acessibilidade

Assim como dissemos sobre conteúdo e design, a ideia é manter as coisas simples e claras para aumentar a acessibilidade. Isso se aplica aos seus formulários online. Você precisa garantir que cada campo esteja claramente rotulado para que o formulário seja facilmente lido pelos leitores de tela.


Também é útil incluir instruções e informações claras no formulário, explicando como preenchê-lo adequadamente. Fuja de ícones que explicam melhor algum tópico e opte por deixar o texto todo na página.


9) Evite o uso de mídia automática

Você já teve um monte de guias do navegador da Internet abertas e, de repente, uma delas começou a reproduzir automaticamente um vídeo e você não conseguiu descobrir em que guia estava o vídeo?


Por mais irritantes que sejam os arquivos de mídia reproduzidos automaticamente, eles são um problema ainda maior para a acessibilidade. Você pode imaginar o quanto seria mais difícil desativar esse vídeo usando um leitor de tela?


Em geral, é melhor incluir apenas mídias na sua página da Web que iniciem após o usuário dar o play.


10) Mostre que você fez um bom trabalho

Você fez todo o trabalho para alcançar esse mercado de bilhões de pessoas e agora seu site está acessível. Por que não contar ao mundo sobre isso com seu próprio guia de acessibilidade? Indique todas as maneiras pelas quais seu site renovado (ou novinho em folha) é inclusivo para deficientes.


Confira o guia de acessibilidade da BBC aqui (disponível em inglês). Você não precisa se estender tanto quanto a BBC, mas é um excelente exemplo e pode lhe dar ótimas ideias sobre como começar.



11 visualizações

Copyright © Prosperidade Conteúdos